Inapropriado para menores de 14 anos!

Essa tarja sempre aparece nos livros de RPG e em muitos outros materiais, video games, MMO’s, brinquedos LEGO, muita coisa mesmo…

Mas quando foi a última vez que você parou para analisar os seus jogadores de acordo com as suas sessões de RPG e suas idades?

Quando os marmanjos e moçoilas tem idade para responder por si mesmos, não tem problema algum, mas quando eles são de menor idade, não custa nada você acompanhar o jovem jogador por um breve período de tempo.

Vi um comentário num site de RPG onde o rapaz dizia que ele começou uma campanha de Naruto 3D&T para dois jovens de 10 e 12 anos de idade. Poucos dias depois do início da campanha, ele notou que os garotos estavam ficando violentos. Ele passou a observar os garotos e chegou à conclusão de que jogar Naruto, um tema teoricamente infantil, socando ninjas por todo o cenário, era o motivo para os dois jovens estarem se comportando assim. Ele teve certeza disso depois que passou a mestrar uma campanha diferente, com tema medieval, onde eles lutavam contra monstros e salvavam pessoas.

Agora imaginem como isso fica quando esses dois garotos forem adultos. Depois que eles jogarem algum jogo de vampiro.

Qual foi a pessoa de menor idade que já passou numa mesa sua de RPG? Você pensou em como isso poderia ter influência sobre essa pessoa? Seria interessante que tivéssemos condições de saber até onde o RPG está influenciando as crianças que, porventura povoem nossas mesas.

  • Converse com os pais do jovem jogador [generalizando o sexo propositalmente] para saber se algo mudou em seu comportamento;
  • Tenha algum tipo de atividade diferente do RPG com o jovem, mesmo que ele pareça muito novo para o seu círculo social. Uma rodada de Banco Imobiliário, por exemplo, é quase independente de idade;
  • Se é amigo do seu filho, melhor ainda. Seu filho pode participar de sessões também e você pode ter um “termômetro” das mudanças bem perto de você.

Não. Você não se torna um tipo de responsável pelo que o jovem faz ou sobre o que muda em seu comportamento, mas você pode ajudar.

Se tem um jogador com idade fora da idade sugerida pelo livro, acompanhe-o por um curto período de tempo. Não vai te atrapalhar em nada e vai ajudar aos pais do jovem a ver o jogador de RPG como uma pessoa responsável pelo que faz.

Experimente.

Anúncios

9 Respostas

  1. Alexandre, nao permito menores de 18 em minhas mesas, nao por esse motivo, mas por questoes legais. Na verdade, tenho um jogador de 16 anos na minha mesa, mas junto com ele esta o pai, que tambem eh jogador do grupo.

    Fiz uma enquete no meu blog sobre isso e o post gerou muitos comentarios, de uma olhada.

    Eu jogo RPG desde que eu tinha 16, o jogo em si pode trazer muito mais beneficio do que prejuizo, mas para isso tem que ser levado com muita responsabilidade.

    Outro fato importante eh que essas etiquetas sao, na maioria das vezes, uma indicacao, nao uma proibicao, para que os pais e responsaveis estejam atentos a esses problemas.

    Essa eh uma discussao muito extensa e muitas opinioes se confrontam.

    Parabens pelo blog.

    • Opa Vermei… No domingo estarei dando uma conferida no seu blog.

      Com disse no final do post, também acho que a tarja dos livros são apenas sugestões. Cada pai deve saber o que o filho tem capacidade de ler. Se isso não acontece, a tarja perde sua função.

      Obrigado pela visita e bom final de semana…

    • eu permitiria um jogador de 12 anos numa mesa para 18(não permitiria claro, mas pelos motivos da faixa etária eu permitiria) desde ke, é claro, ele me mostrasse um laudo de um teste psicotécnico mostrando que ele esta ápito a separar fantasia de realidade.

  2. Putz @Felipe…

    Nem os mais paranóicos mestres sádicos teriam tamanha crueldade no coração… kkk

    Eu acho que, trabalhado do modo correto, essas são as pessoas certas pra se jogar RPG, os garotos de 12-14 anos. Note que os caras mais velhos que jogam RPG, geralmente começaram nessa idade. E até hoje jogam sem problemas.

    O pior que eles podem enfrentar é a esposa reclamando da sujeira dos jogadores da mesa… haha

    Obrigado pela visita.

  3. PO isso depende muito da cabeça de cada um. Minha irmã começou a jogar com a gente com 13 anos, mas ela sempre foi equilibrada ( nem tanto!) e não demostrava nenhuma alteração por estar matando trolls, ou lutando contra copmpanheiros de mesa. isso é uma coisa independente de idade, depende da cabeça de cada um. te garanto que tem maiores de 18 que vão ter a mesma reção, por não serem euilibrados.
    Ai vai do mesttre e dos companheiros de grupo saberem medir as ações de seus companheiros de mesa, sejam menores ou não.
    Alexandre gostei muito do post, e acho que teria muito a se falar sobre isso! será que posso usar sua ideia e fazer um post complementando o seu lá no meu blog?
    falando nisso, não deixe de acompanhar http://brasilgurps.blogspot.com/

  4. Nos eventos sempre procurei demonstrar GURPS para jovens. Tenho certeza que mestrei para guris de 12-13 anos, aventuras de matar goblins, orcs e feiticeiros malignos.

    Não é diferente do tempo em que eu assistia aos changeman e depois ia com os amigos brincar de socar e bazucar monstros.

    O mundo está ficando muito “a prova de crianças”, não é preciso todo esse cuidado com elas, elas entendem perfeitamente bem o que está acontecendo. Temas mórbidos como vampiro eu não apresentaria à crianças, mas um jogo baseado num desenho infantil? Sem problemas!

  5. Gostaria de deixar aqui uma experiência estranha e relativamente desagradável que tive numa mesa.

    O mestre, nos seus 19 anos de idade convidou sua namorada de 20 para jogar.

    Quando perguntei se ela sabia que isso era só um jogo, o mestre assentiu que sim.

    Vendo meu olhar cético, quase me deu porrada.

    Aventura rolando, o grupo invade a masmorra: uma estranha construção extraplanar, lotada de humanóides igualmente estranhos, todos portando armas de raios.

    Derrotamos a primeira leva de soldados e, no momento que decidíamos como dividir as armas, a garota veio com uma história de que ia pegar as armas para vender.

    Naturalmente, ela já havia guardado 13 armas em sua mochila e apontava a arma restante em nossa direção.

    Tudo com as bençãos do mestre.

    Mesmos com os apelos do grupo de que as armas iriam nos ajudar em nossa pilhagem, a garota estava convencida de que gastar a munição das armas diminuiria seu preço de mercado, e que nós nos saímos muito bem com nossas espadas.

    Nesse momento, a tensão do grupo era tamanha que resolvemos tomar as armas à força.

    No instante seguinte, ela matou um dos membros do grupo, e estava prestes a matar o restante!

    Ficou resolvido que após espancá-la e amarrá-la, o grupo a levaria de volta à vila onde a encontramos, já que esse pensamento a tornava praticamente inútil ao grupo.

    Agora é que vêm a parte mais desagradável do evento: na vida real, a garota levantou, correu para a cozinha e começou a chorar. O mestre foi atrás tentando explicar que isso era só um jogo, que nada era real, que os demais jogadores não a odiavam.

    Ela ameaçou deixá-lo. Ele cortou todo o xp da sessão, menos o de sua namorada.

    Minha avaliação de quem deve ou não jogar RPG é a seguinte:

    – Mestres precisam ser necessariamente pessoas equilibradas, que saibam separar o que é real do que é imaginário. Precisam saber também que o RPG é para que todos se divirtam, evitando situações como a descrita acima, onde um jogador perdeu seu personagem (eu) e outro carecia de espírito de equipe (a namorada);

    – Jogadores também precisam ser necessariamente pessoas equilibradas, que saibam separar o que é real do que é imaginário. Precisam saber também que a maioria dos RPG’s prezam trabalho em equipe para superar os desafios propostos pelos mestre e que, independente do que aconteça no mundo de jogo, tudo foi apenas atuação.

    Acho que viajei demais, mas fica minha opinião.

    • Não… Ótimo relato Demente…
      Como disse o Fernando del Angeles, isso depende da cabeça de cada um. Suas observações no final do texto complementam muito bem.
      Mestres e jogadores têm de ser pessoas equilibradas. Não sendo assim, podem acontecer várias situações como essa. As vezes, piores.

      Obrigado pela visita e pelo comentario.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: