Atributos devem ser generalizados?

A resposta é complicada de se debater, mas eu diria que não. Impossível de se generalizar os atributos.

Lendo o post no Gurps Nation [Atributo médio?!] andei pensando no assunto e lembro-me de que, em todos os RPGs que eu tenho visto, os humanos servem de comparações para todas e quaisquer raças que possam vir a existir.

Em Gurps Fantasy e Gurps Magia temos vários exemplos, mas eu sempre gosto de usar os elfos e anões como base em minhas conversas.

Diz-se que um anão tem ST+2 e Fadiga+2 ou que um elfo tem +1 em IQ, +1 em DX e -1 em ST. Essas diferenças em atributos podem ser notadas em todos os sistemas onde existam diferentes raças humanóides. Elas partem da idéia de que um humano tenha a média genérica.

Aí que entra minha questão: Quem disse que os humanos são genéricos? Como pode-se dizer que os humanos tem atributos médios em todas as partes do mundo? Claro que não!

Diferentes raças, diferentes atributos

Diferentes raças, diferentes atributos e a elfa gostosa em destaque.

Acho que todo sistema deveria usar uma média base ‘do sistema’ e não levar em consideração que a média é média por que os humanos são ‘assim ou assado’.

Levando em consideração que os humanos da Mongólia nasciem, cresciam e se desenvolviam no trabalho campal, onde em sua adolescência eles precisavam caçar e demonstrar sua masculinidade com feitos que envolvessem força bruta. E que a maioria esmagadora dos homens nascidos em Serra Leoa, nos dias de hoje, passam fome, geralmente até a metade de sua adolescência. Pode-se dizer que os humanos são genéricos? Alguém acha que a ST média de um mongol da época de Gengis-Khan, por exemplo, é a mesma ST média de um temne ou mende no dias atuais?

Eu digo que é impossível fazer essa comparação.

Claro, o mestre pode fazer uma alteração e deixar claro que humanos de várias regiões têm atributos médios diferentes. Mas por que os autores de sistemas de RPGs sempre usam essa mesma temática? Por ser genérica. Simples assim.

No Gurps Fantasy temos a seguinte frase:

Não-humanos são criados usando-se a mesma tabela de atributos válidas para os humanos – mas os Não-humanos podem estar sujeitos a bônus ou redutores em um ou mais atributos.

Bem, por que não usar a frase assim:

Todas as raças são criadas usando-se a tabela de atributos genérica – mas algumas delas podem estar sujeitos a bônus ou redutores em um ou mais atributos.

Acho que assim a informação soa mais verdadeira e generaliza menos a raça humana, que em hipótese alguma deveria ser tratada dessa forma.

Não só Gurps trata desse assunto dessa maneira e nem só Gurps deveria ser corrigido. O sistema deveria considerar que a tabela de atributos é uma tabela usada pelo sistema e não uma tabela de valores de atributos humanos, afinal, se hoje temos tantas diferenças nos humanos, dependendo de sua região nativa, imagine o mesmo nos cenário medieval, onde existem meios mágicos.

Não deixem de visitar a recém criada Iniciativa GURPS e conferir seus primeiros passos.

Anúncios

7 Respostas

  1. Belo Post!
    Isto sempre me intrigou… principalmente em vista de que nos seres humanos podemos ser muito diferentes um dos outros!

  2. Interessante. É que eu acho que para manter-se politicamente correto, é melhor ignorar as diferenças de raças/regiões em um sistema.
    Até porque no final, o custo em pontos será o mesmo…

    Quanto a tabela, sempre preferi pensar nos humanos como “referência”e não como raça “genérica”…embora o sistema assuma que humanos são a média mesmo.

    • Opa xará.
      Assim, ignorar as difrenças é um pouco complicado, pois o jogador que tem a coragem de pagar 40 pontos de personagem para ter um “modelo pronto”, deve esperar ter algum benefício. Por mais que ele não tenha.

      Acho que por isso dificilmente vemos personagens não-humanos que não sejam NPCs. Em GURPS o sistema trata de deixar as coisas mais equilibradas e as raças não-humanas não têm tantas vantagens, como tem em outros sistemas.

      Obrigado pela visita xará. Vamos tocar essa Iniciativa.

  3. Concordo que os humanos podem ser diferentes e todas as partes do mundo, e acho que seria legal criar uma “raça” humana diferente para mostrar diferenças gritantes.
    Mas é dificil não ter como base os humanos, afinal de contas eles são reais, enquanto podemos apenas supor que os elfos seriam mais inteligentes e habilidosos, enquanto os anões seriam mais fortes.

    Eu acho que sim, devemos usar os humanos como base, mas que podemos criar bônus diferentes para os nórdicos (como Bõnus em Força, fadiga, resistência a frio) ou diferenças mais sutis como para os moradores de deserto (resistência a alta temperatura) ou até mesmo, fazer como fazemos aqui, qando jogamos no mundo criado pela gente (99% das vezes) usar bônus de região.
    Um nórdico teria bônus na ht para resistir a climas frios, e quem sabe uns niveis de St para carga.

    Valeu Alexandre, continue com o bom trabalho

    • Opa Fernando. Obrigado pela visita.

      Acho que humanos são tão complexos ou mais que qualquer raça fantástica. Eu não acho que é certo ter um humano como base de comparação por ele ser real, afinal os elfos, anões e todas as raças fantásticas nos são dadas pelo sistema que jogamos. Nós não apenas supomos que eles são assim, de acordo com o sistema que jogamos, eles ‘são’ assim.
      Usando anões como exemplo eu poderia dizer o seguinte. Em D&D anões tem bônus em Constituição, em GURPS tem bônus em ST e se procurar, vai encontrar sistemas que dizem que ele têm algum tipo de bônus em outra característica.
      O anão é uma raça fantástica e por isso cada sistema o define de uma forma diferente. Por que não fazer o mesmo com os humanos? Só por humano ser real? Justamente por ele ser real serve o fato de que somos realmente muito diferentes.

      Concordo com você quando diz que podemos criar bônus para humanos de acordo com sua região, costumes e etc, mas o que me incomoda é que nenhum sistema de regras faz isso.

      Mesmo discordando em partes, obrigado pela opinião.
      Vamos tocar a Iniciativa.
      Até.

  4. Só para lembrar, Tolkien, que é uma das principais bases de inspiração para raças no RPG, pegou bases de uma cultura para fazer a raça, Anões, são Alemães, bebem cerveja, são encorpados, fazem bastante trabalho braçal, e regularmente loiros/ruivos. Elfos são franceses, mais ágeis, menos robustos, com uma paixão maior pela arte. Hobbits são espanhóis, calados, amigáveis, regularmente gordos.
    Se países que fazem fronteira já tem tantas diferenças(obviamente aumentadas, como no caso de Tolkien), povos distantes teriam mais ainda…

    • Acho que seu comentário resumiu em poucas palavras o que eu quis dizer.
      Tolkien não criou as raças a partir de um humano genérico, mas sim de várias tipos diferentes de humanos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: